Como Tratar Gordura no Fígado

Como Tratar Gordura no FígadoConhecida como esteatose, a gordura no fígado é uma patologia assintomática, que podemos muitas vezes ter e não perceber. Mais perigosa do que pode parecer, a esteatose pode levar a uma cirrose hepática se não for tratada. Existem várias causas para o acúmulo de gordura no fígado. A causa mais comum é o alcoolismo, depois podemos citar diabetes, distúrbios de colesterol ou triglicérides, obesidade, má alimentação, pode ser até mesmo consequência de medicações com antibióticos (ou outros) por um longo período ou intoxicações por outros meios não medicamentosos.

Na maioria dos casos a esteatose não apresenta sintomas, mas pode ocorrer alguma dor do lado direito superior do abdômen, inchaços, coloração amarela nos olhos e/ou na pele. Mas,  só é possível ter certeza através de exames que possam constatar o aumento no tamanho do fígado e as gotículas de gordura acumulados nas células do fígado. Exames de sangue também podem dar indícios da esteatose.

A seguir estão algumas recomendações de tratamento da doença.

1. Um estilo de vida mais saudável serve para prevenir e reverter a doença. Coma melhor e pratique exercícios regularmente.

2.É necessário descobrir o que causou a esteatose para suprimir essa condição primária e fazer o fígado voltar a um funcionamento normal. Com em casos em que a doença foi causada através da ingestão abusiva de bebidas alcoólicas, será necessário parar de beber para ajudar o fígado a voltar ao seu estado normal.

3. Assim como no caso da doença ser consequência da obesidade, é necessário realizar um processo de reeducação alimentar para que o dano possa ser realmente revertido.

4. Qualquer medicamento a ser utilizado deve ser aprovado pelo seu médico, já que alguns deles podem ter efeitos tóxicos em relação ao fígado, assim como algumas ervas. Caso exista o diagnóstico de diabetes, ela deve estar sempre sob controle também.

5. Uma alimentação rica em vitaminas C e E e antioxidantes como o Ômega 3 auxiliam na hora de evitar a oxidação da gordura e a formação de radicais livres que podem acabar inflamando o fígado, agravando o quadro.