Como Transformar uma Bicicleta Comum em Elétrica

Como Transformar uma Bicicleta Comum em ElétricaBicicletas fornecem aos usuários uma forma de propulsão humana para o transporte que é muito mais eficiente e mais veloz do que andar. No entanto, elas deixam algo a desejar quando se trata de velocidade máxima e em aumento de potência. Ao adicionar o auxílio de um motor elétrico você ainda irá pedalar tanto quanto desejado, mas acrescentará até 20 mph a sua velocidade máxima. Além disso, o motor irá ajudá-lo a para com mais eficiência e a subir rampas íngremes. Os kits de conversão são relativamente baratos, estão disponíveis em vários varejistas, e a maioria pode ser instalado em poucas horas.

1. Tenha uma bicicleta adequada para conversão. O quadro deve ser grosso e forte e a bicicleta deve ter partes sólidas que estão em bom estado. Bicicletas com amortecedores na parte dianteira são inadequadas para a conversão, e não devem ser equipadas com um motor. A maioria dos kits trabalham com rodas entre 50 e 66 centímetros de diâmetro. A bicicleta escolhida para este trabalho deve ter freios excepcionalmente fortes, uma vez que estará viajando a uma velocidade muito maior do que foi projetada.

2. Compre um kit de conversão. Muitas lojas na Internet vendem estes kits, vendendo por preços a partir de R$900,00. Os motores podem variar muito na potência. Sistemas de alta tensão têm lotes de torque, se movem mais rápido, e alcançam a velocidade máxima mais rápido – mas drenam as baterias muito mais rapidamente do que os motores com uma tensão mais baixa. Sua faixa de deslocamento diário deve ser levada em consideração na seleção de um kit de conversão para garantir que você está escolhendo aquele que se adapta melhor às suas necessidades individuais.

3. Monte o motor na bicicleta. Siga as instruções do fabricante, uma vez que todos os sistemas são diferentes. Com um motor de centro, você vai começar por retirar a roda existente e substituí-la por uma que tem o motor construído dentro dela. Outros sistemas podem ter um motor externo que monta longe da roda, e envia energia para ela através de uma corrente de transmissão. A bateria (ou baterias) terá de ser montada na estrutura da bicicleta, ou por detrás do assento, e fixada em sua posição.

4. Instale a fiação do motor no controlador (se aplicável) e no comando do acelerador no guidão. Certifique-se de que todos os cabos estão localizados fora do caminho de quaisquer peças em movimento, e que não irão interferir em qualquer dos movimentos naturais da bicicleta. Lembre-se, os fios de alimentação estarão carregando alta amperagem, eletricidade e podem ser potencialmente perigosos se instalados incorretamente.

5. Carregue as baterias e, em seguida, pegue a nova bike para dar uma volta. Ainda sobre o test drive, não vá muito rápido até que você esteja confiante de que o sistema está instalado e funcionando corretamente. Vá pedalando e dando paradas, então espere até que algum impulso envolva o motor da maneira correta para a decolagem. A aceleração de um ponto morto coloca pressão desnecessária sobre o motor, e drena a bateria muito mais rápido do que o normal. Fique atento a todos os barulhos estranhos ou ocorrências que podem sinalizar um problema potencial.

6. Faça as modificações necessárias. Freios maiores de disco podem ser necessários para dar suporte a sua bicicleta para suportar velocidades elevadas. Baterias com maior capacidade podem ser utilizadas para aumentar a gama de potência. Pneus mais resistentes podem ser necessários, uma vez que a bicicleta vai se movimentar de uma forma que causará mais desgaste do que o uso normal faria. Um velocímetro digital para medir a velocidade e a distância percorrida é uma adição útil.