Como Plantar Milho

Como Plantar MilhoO milho é um conhecido cereal cultivado em grande parte do mundo. O milho é extensivamente utilizado como alimento humano ou ração animal, devido às suas qualidades nutricionais. Existem várias espécies e variedades de milho, todas pertencentes ao gênero Zea. Todas as evidências científicas levam a crer que seja uma planta de origem americana, já que aí era cultivada desde o período pré-colombiano. É um dos alimentos mais nutritivos que existem. Tem um alto potencial produtivo, e é bastante responsivo à tecnologia. Seu cultivo geralmente é mecanizado, se beneficiando muito de técnicas modernas de plantio e colheita.

A produção do milho

Para a produção comercial de milho verde, são utilizadas práticas culturais normalmente adotadas na cultura do milho para a produção de grãos maduros. Sabe-se, entretanto, que quando a finalidade é a produção de milho verde, certas características devem ser consideradas. As espigas devem ser bem formadas, bem granadas e com boa condição sanitária.

Preparo do solo

1. O preparo do solo pode ser convencional, ou no sistema de plantio direto. A época adequada de semeadura varia com a região por causa das exigências climáticas da cultura, objetivando um maior rendimento agrícola. Em São Paulo planta-se principalmente em 2 épocas: fevereiro/março e agosto/novembro. Mas com irrigação, alguns produtores fazem escalonamento para se ter produção o ano todo, desse modo, planta-se nos meses de: março, agosto, setembro e outubro.

2. A semeadura pode ser manual, com matraca ou com diversos tipos de plantadeiras, mantendo sempre uma população final de plantas ideal, de forma a ser plantada com profundidade de 3 a 5 cm e o adubo a uma profundidade de 10 a 15 cm, sempre ao lado da semente e mais profundo que ela.

3. Associado à densidade de plantio está o espaçamento entre as fileiras de milho. No Brasil, este espaçamento é muito variável, mas o mais comum é de 0,8 e 0,9 m com 55 e 44 plantas por 10 m lineares, com uma população de 55.000 plantas/ha. Essa densidade de plantas é indicada principalmente quando a comercialização for realizada em bandejas de isopor seladas com plástico transparente. Todavia, é importante ressaltar que quando o objetivo da produção for a comercialização de espigas individuais, empalhadas ou não, a densidade poderá ser menor, em torno de 40 a 45 mil plantas/ha, o que proporcionará a formação de espigas maiores.

4. Em condições de temperatura e umidade adequada, a planta emerge dentro de 4 a 5 dias, porém, em condições de baixa temperatura e pouca umidade, a germinação pode demorar até duas semanas ou mais.

5. Na fase de emergência deve-se fazer avaliação e controle se necessário de pragas desfolhantes, como a lagarta-do-cartucho.

Adubação

1. A adubação utilizada para o milho verde tem sido a mesma recomendada para o milho para produção de grãos.

2. No planejamento da adubação, o primeiro passo é a amostragem de solo para análise química e correção da acidez, se houver necessidade.

3. Doses iguais ou maiores que 60 kg/ha de N devem ser parceladas em duas vezes, principalmente em solos arenosos, aplicando-se a primeira no estádio de 2 a 3 folhas completamente estendidas, e a segunda, na fase de 6-7 folhas. Sugere-se o uso de sulfato de amônio na primeira aplicação e uréia na segunda cobertura.

4. O milho é cultivado em regiões cuja precipitação varia de 300 a 5.000 mm anuais, sendo que a quantidade de água consumida por uma planta de milho durante o seu ciclo está em torno de 600 mm. Dois dias de estresse hídrico no florescimento diminuem o rendimento em mais de 20%, quatro a oito dias diminuem em mais de 50%. O efeito da falta de água, associado à produção de grãos, é particularmente importante em três estádios de desenvolvimento da planta: a) iniciação floral e desenvolvimento da inflorescência, quando o número potencial de grãos é determinado; b) período de fertilização, quando o potencial de produção é fixado; nesta fase, a presença da água também é importante para evitar a desidratação do grão de pólen e garantir o desenvolvimento e a penetração do tubo polínico; c) enchimento de grãos, quando ocorre o aumento na deposição de matéria seca, o qual está intimamente relacionado à fotossíntese, desde que o estresse vai resultar na menor produção de carboidratos, o que implicaria menor volume de matéria seca nos grãos.

5. Essa cultura exige precisão do produtor na colheita e rapidez na comercialização. O milho verde é mais precoce que o seco (milho normal), sendo colhido na fase chamada de grão leitoso e pastoso (fase iniciada normalmente entre 20 e 25 dias após a polinização), podendo ser colhido aos 90 dias, enquanto que o outro só fica no ponto aos 150 dias, no cultivo de verão. Por esse motivo, ele se torna um produto altamente perecível devido ao seu elevado teor de água (70% a 80% de umidade), fazendo com que seu período de comercialização seja bastante restrito.

No ponto de milho verde, o grão apresenta-se com uma aparência amarela e no seu interior um fluido de cor leitosa, o qual representa o início da transformação dos açúcares em amido, contribuindo para o incremento de seu peso seco.

6. No campo, o milho híbrido passa do ponto muito rapidamente, apresentando um período útil de colheita (tempo de permanência em fase de milho verde) de aproximadamente quatro a cinco dias, exigindo precisão do produtor na colheita e rapidez na comercialização.

As espigas devem ser armazenadas em temperatura ambiente.