Como Muitos Feriados Deixam o Brasil Mais Pobre

No Brasil, os feriados nacionais, estaduais e municipais são estipulados por leis, e podem ser de origem civil ou religiosa conforme estabelecido pela lei nº 9.093 de 1995:

  • Feriados civis

Os declarados em lei federal;

A data magna do Estado fixada em lei estadual.

Os dias do início e do término do ano do centenário de fundação do Município, fixados em lei municipal.

  • Feriados religiosos

Os dias de guarda, declarados em lei municipal, de acordo com a tradição local e em número não superior a quatro, neste incluída a Sexta-Feira da Paixão.

Em 2014, 30 dos 44 feriados estaduais cairão em dia úteis, assim como oito dos 12 feriados nacionais vão cair em dias da semana, criando os chamados pontos facultativos, sempre tão esperados pela população, mas que se tornam um grande pesadelo para as fábricas do país.

A Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) divulgou um estudo nesta segunda-feira que mostra o quanto a indústria deixa de produzir nos dias parados. Segundo o levantamento, as perdas para o Brasil giram em torno de R$45,5 bilhões de reais. Ainda de acordo com a entidade o Brasil deixará de produzir até 3,6% do seu PIB industrial (soma das riquezas produzidas pela indústria) por conta dos feriados.

São Paulo é o estado que perde mais com os feriados: R$15,6 bilhões de reais. Seguido pelo Rio de Janeiro, o segundo local que terá a maior perda de produção neste ano: R$5,5 bilhões de reais. Minas Gerais é o terceiro estado mais prejudicado nesses dias, com uma perda estimada em R$4,5 bilhões de reais.

Especialistas defendem os feriados e entendem que são dias de descanso para os trabalhadores, mas pensam em formas de moldá-los a fim de caírem numa sexta ou segunda feira, para não terem uma emenda, como ocorre em feriados que caem, por exemplo, em uma quinta feira. Porém há algumas controvérsias, já que feriados aos fins de semana pode afetar o comércio varejista, que lucra mais nesses dias.